Biblioteko

 

 

Um projeto que deu certo 101º Congresso Universal de Esperanto 52-a BRAZILA KONGRESO DE ESPERANTO

Um projeto que deu certo

Conheça o que é o Esperanto

Hoje em dia, é língua viva de uma comunidade transnacional que o pratica no dia a dia, principalmente na internet, de forma cultural e intelectual.
Leia mais

101º Congresso Universal de Esperanto

2016

Okazos en la urbo Nitra - Eslováquia, en julio 2016.
Legu plu

52-a BRAZILA KONGRESO DE ESPERANTO

37-a BRAZILA ESPERANTISTA JUNULARA KONGRESO

Sorriso, 15 a 18 de junho de 2017
Visite a página do BKE

Como o Esperanto surgiu?

 

O esperanto é uma língua auxiliar para a comunicação internacional, de aprendizado rápido e fácil. Iniciado em 1887 pelo médico polonês Dr. Lázaro Luís Zamenhof, é amplamente utilizado, em escala mundial, tanto em congressos internacionais quanto em redes sociais, como o Orkut e o Facebook. É essencialmente um idioma neutro, isto é, que não pertence a nenhuma nação, e por isso é um eficiente instrumento para a preservação de todas as línguas e culturas do globo e para a promoção da igualdade entre os povos. A principal proposta do esperanto é a de que cada povo continue a falar sua própria língua materna e possa, conjuntamente, fazer uso de um idioma neutro nas comunicações internacionais.

Legu plu

Literatura

A florescente tradição literária em Esperanto é reconhecida pelo Clube Internacional PEN de Escritores, que aceitou a filial de Esperanto em seu 60o. Congresso, em setembro de 1993. Os autores em Esperanto mais notáveis na atualidade incluem os romancistas Trevor Steele (Austrália), István Nemere (Hungria) e Spomenka Stimec (Croácia); os poetas William Auld (Escócia), Mihail Gishpling (Rússia/Israel) e Abel Montagut (Catalunha); e os ensaístas e tradutores Probal Dashgupta (índia), Fernando de Diego (Venezuela) e Kurisu Kei (Japão). Auld foi indicado ao Prêmio Nobel de Literatura em 1999 e em 2000 por suas contribuições à poesia (http://dreamwater.net/esperanto).

Contatos profissionais e interesses especiais.

Entre as organizações para falantes de Esperanto encontram-se aquelas destinadas a médicos, escritores, ferroviários, cientistas, músicos e muitos outros. Elas costumam editar seus próprios periódicos, organizam conferências e contribuem para a expansão da língua no uso profissional e temático. A Academia Internacional de Ciências de San Marino facilita a colaboração na esfera universitária.

Obras originais e traduzidas são lançadas regularmente em campos como astronomia, informática, botânica, entomologia, química, direito e filosofia.

Legu Plu

Características do Esperanto

O Esperanto é tanto falado como escrito. Seu léxico provém principalmente das línguas da Europa Ocidental, enquanto sua sintaxe e morfologia mostram fortes influências eslavas. Os morfemas do Esperanto são invariáveis e quase infinitamente combináveis em palavras diferentes, de modo que a língua também tem muito em comum com línguas isoladas como o chinês, enquanto sua estrutura vocabular apresenta semelhanças com línguas aglutinantes como o turco, o swahili e o japonês.

O que é o Esperanto?

O Esperanto é uma língua internacional planejada que foi lançada em 1887 com objetivo de facilitar a comunicação entre os povos de diferentes países e culturas.

O autor do Esperanto foi o médico polonês Lázaro Luís Zamenhof (1859-1917) que o lançou com o pseudônimo "Dr. Esperanto" que significa nesse idioma "aquele que tem esperança" em um livro denominado "Unua Libro de la Lingvo Internacia". Portanto, o nome original do Esperanto é "Lingvo Internacia", que melhor se traduz por "língua para ser internacional".

Legu plu

É necessário aprender uma língua internacional?

Existem no mundo cerca de 3000 línguas e inúmeros dialetos. Qualquer pessoa, medianamente culta, sabe que essa diversidade de línguas cria grandes obstáculos para a comunicação. O progresso das ciências, o desenvolvimento da técnica, a necessária democratização dos meios de comunicação tornam urgente a adoção de uma língua internacional acessível a todos os povos.

O tema Esperanto ja esteve diversas vezes na ordem do dia da Unesco, a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura. Desde 1954 a Associação Universal de Esperanto mantém relações consultivas oficiais com a Unesco, enviando-lhe relatórios regularmente e incentivando seus membros e associações a colaborarem ativamente com aquela Organização para efetivarem seus objetivos comuns.

Em duas ocasiões a Conferência Geral da Unesco, que se reúne a cada dois anos, aprovou uma resolução especial dedicada ao Esperanto. A resolução da Quarta Conferência Geral (Montevidéu 1954) foi resultado de uma campanha coordenada pela UEA, principalmente por seu diretor Ivo Lapenna. A resolução do ano do Centenário, aprovada pela Vigésima-Terceira Conferência Geral (Sófia 1985) foi fruto da colaboração por três décadas e de bons contatos com algumas delegações nacionais. Juntas, as duas Resoluções consistem o mais claro reconhecimento do valor do Esperanto feito por uma importante organização internacional.

 

Efeito Propedêutico

Aprender o Esperanto causa um efeito pedagógico facilitador, pois aumenta a rapidez de aprendizado em pelo menos 20%. Isso foi provado pela Universidade de Paderborn, na Alemanha.

A Unesco e o Esperanto

A Unesco já reconheceu publicamente o Esperanto por duas vezes e recomenda aos seus estados membros o ensino generalizado do Idioma.